Blog notícias e artigos

O Dia Mundial da Água e a vida nas Indústrias

O Dia Mundial da Água foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) por meio da resolução A/RES/47/193, de 21 de fevereiro de 1993, que determinou o dia 22 de março como data oficial para comemorar e realizar atividades de reflexão sobre o significado da água para a vida na Terra. No mesmo dia, a ONU lançou a Declaração Universal dos Direitos da Água, que apresenta entre as principais normas, cinco que destacamos aqui:

  1. A água faz parte do patrimônio do planeta
  2. A água é a seiva do nosso planeta
  3. Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados
  4. O equilíbrio e o futuro de nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos
  5. A água não é somente herança de nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores

Refletindo internamente sobre o Dia Mundial da Água, e em ligação direta com o Fórum Mundial da Água que acontece esta semana em Brasília (DF), e pensando, principalmente, na sobrevivência das indústrias, um dos principais interlocutores do trabalho da Âmbito Homem e Ambiente, conversamos com nossa diretora, Elaine Cristina Moreira, que é Mestre em Sustentabilidade Ambiental (UFOP), Auditora e Consultora do atendimento aos requisitos legais aplicáveis ao escopo das normas de gestão ISO 14.001 (gestão ambiental), OHSAS 18.001 (gestão da segurança e saúde ocupacional) e SA 8.000 (gestão da responsabilidade social) de médias e grandes empresas nacionais e internacionais para orientar os empresários, e também os colaboradores das organizações, sobre como economizar água e ajudar o futuro do planeta.

O que podemos fazer para economizar água nas indústrias e estabelecimentos?

Elaine – A primeira medida para a economia de qualquer recurso natural é contabilizar a quantidade gasta em todas as atividades do negócio. As organizações de todos os portes possuem gastos de água diretos e indiretos. Principalmente, na prestação de serviço, a água é matéria prima da atividade, garantia das condições sanitárias do negócio, e conforto para os consumidores. Mapeados os locais de gasto de água e a quantidade é possível estabelecer metas de economia, indicadores que podem ser acompanhados pela gestão da empresa. A segunda medida importante é avaliar as causas dos gastos excessivos, nos locais já mapeados. Geralmente, as causas estão relacionadas aos equipamentos utilizados, ou aos hábitos dos funcionários. Nessa fase é importante se fazer as seguintes perguntas: Como estão os equipamentos hidráulicos e a tubulação? As torneiras estão fechando perfeitamente? As caixas ou válvulas de descarga dos sanitários estão reguladas? Como é feita a limpeza das instalações? A elaboração de planos preventivos e corretivos para verificar regularmente as condições de funcionamento dos equipamentos (vazamentos, corrosões etc) pode responder a maioria dessas perguntas. Outra pergunta importante a se fazer é sobre as tecnologias do mercado que podem reduzir o consumo? Hoje, o mercado oferece torneiras de acionamento automático, temporizadoras e com arejadores. Igualmente, é possível instalar descargas com controle de volume de água diferenciado.

É preciso trocar a torneira com frequência? Qual seria essa frequência?

Elaine – A troca de torneiras antigas pode representar economia de água, principalmente, se forem adotadas novas tecnologias. A instalação de arejadores em torneiras já existentes também pode representar economia desse recurso. A frequência de troca depende da idade e tecnologia do equipamento. Por essa razão é importante mapear os equipamentos e implantar planos preventivos e corretivos de verificação do uso e funcionamento.

*Quanto, em porcentagem, se pode economizar na conta de água realizando os procedimentos indicados?

Elaine – Torneiras mal reguladas, “pingando”, podem “mandar ralo abaixo” até 46 litros de água em um dia. Em um ano, esse número soma 16 mil litros, o que representa cerca de 64 mil copos de água de 250 ml. O plano preventivo, a troca de torneiras temporizadoras ou com arejadores podem economizar até 70% do gasto de água nesses equipamentos. A substituição de vasos sanitários por modelos que utilizem menor volume de descarga pode representar uma economia de até 40% da água.

Além da economia na conta de água, quais os outros benefícios? Ajuda o meio ambiente? Explique.

Elaine – A água é um bem natural finito, não pode ser criada, a mesma água utilizada hoje será a disponível amanhã, isso porque ela está em um ciclo. A geração de efluentes líquidos contaminados, esgoto doméstico, sem tratamento, faz com que a água disponível para o uso humano diminua. Infelizmente, bares e restaurantes estão ligados a redes de esgoto que nem sempre possuem o melhor tratamento de efluentes, e o aumento do volume de efluentes domésticos gerados por suas atividades vai contribuir diretamente para menor disponibilidade de água consumível. Sendo assim, economia de água é garantia da disponibilidade desse recurso natural! Como a prestação de serviço associada a alimentos depende diretamente desse recurso, economia de água em longo prazo também representa sustentabilidade do negócio.

*Entre atitudes recomendáveis está não “varrer a calçada” usando a mangueira. Fale sobre as consequencias disso, e como deve ser feito.

Elaine – Percebo que são os hábitos e não os equipamentos os maiores responsáveis pelos gastos excessivos de água. Usar a água como vassoura, por exemplo, lavando pisos e calçadas com esguicho representa um enorme desperdício. Quando a mangueira fica ligada por 15 minutos são perdidos 279 litros de água.  Isto significa que, se você lavar a calçada uma vez por semana gastará mais de 14 mil litros de água por ano. Em algumas cidades do Sudeste, como Bauru e Indaitauba, no Estado de São Paulo, lavar o passeio com a mangueira é prática proibida pelos Códigos de Postura Municipais, sendo passível inclusive de multa. Uma alternativa para esse “mau hábito” é o uso da vassoura e balde, ou a reutilização da água da chuva.

*Dê dicas de limpeza que economizam água, também em outros procedimentos.

Elaine – Tão importante quanto a economia é a possibilidade de reutilização de água. Algumas cadeias de lanchonetes no Estado de São Paulo estão obtendo sucesso com o aproveitamento desse recurso natural. Um dos projetos inclui a reutilização da água proveniente do sistema de ar-condicionado na limpeza externa e na irrigação do jardim. Essa medida pode representar até 100% de economia no uso de água para esta finalidade, a depender do volume de água gerado pelo equipamento de ar condicionado. Outro projeto relevante é o de captação e armazenamento da água da chuva, para uso nas partes interna e externa dos restaurantes. Essa água armazenada pode ser usada nas descargas de toaletes e na lavagem de pisos. Externamente, o recurso pode ser usado na limpeza e manutenção de jardins.

*O que mais acha importante falar sobre economia de água para as organizações?

Elaine – É importante ressaltar que economia de água é medida que representa economia para o negócio, conservação do meio ambiente, mas, também, ferramenta de divulgação para o empreendimento. As marcas associadas a posturas ambientalmente corretas possuem um diferencial cada vez mais valorizado pelo mercado. Dessa forma é possível obter empréstimos bancários em programas de incentivo a práticas a favor da preservação do meio ambiente, vantagens na negociação de prazos nos documentos junto a órgão públicos quando o negócio caminha para a gestão ambiental.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Mais artigos

Requisitos legais: conhecimento, controle e obrigatoriedade nas normas certificadoras

Diversas empresas, dos mais variados ramos de atividades buscam certificar seus sistemas de gestão em face, por exemplo, da competitividade mundial existente atualmente. Alguns dos motivos que estão por...

Novas alterações da NR-12: visão de análise de risco em atividades com máquinas e equipamentos

Portaria MTE nº 98, de 08/02/18, publicada em 09 de fevereiro de 2018, apresenta alterações no texto da Norma Regulamentadora nº 12 – Segurança no Trabalho em Máquinas...

Antecipe: Nova ISO para gestão da saúde e segurança do trabalhador

Para construir um ambiente de trabalho seguro e saudável é preciso estabelecer medidas prevencionistas por meio do gerenciamento dos riscos existentes nos processos da organização. O grande desafio é...

Sede Minas Gerais

Rua Professor José Renault, 470 - Santa Lúcia - 30350-342 - Belo Horizonte /Minas Gerais

31 2121-7575
31 3296-5912
Consultoria Jurídica 31 99550-3086
Consultoria Técnica 31 99685-8036
Tecnol. Informação 31 99781-3915
Cobr./Faturamento 31 97117-5619
Comercial 31 99930-1692

São Paulo
Elaine Moreira
31 98452-0100
elaine@ambito.com.br

Jussara Rocha
31 99572-3277
jussara@ambito.com.br

Newsletter

Assine e receba notícias da Âmbito

 

download App para Suporte