Blog notícias e artigos

Impasses da publicação da nova redação da NR 13: placa de identificação de equipamentos novos importados. Como proceder agora?

Com a revogação do antigo texto da NR 13 e a consequente entrada em vigor das novas determinações em 28/12/17, eis que emergem algumas dúvidas cruciais e de alta relevância para o empresariado brasileiro.

Neste sentido, muitas questões circundam a proibição que não existia na antiga versão e que foi trazida no item 13.3.7, o qual colacionamos abaixo:

 “13.3.7 É proibida a fabricação, importação, comercialização, leilão, locação, cessão a qualquer título, exposição e utilização de caldeiras e vasos de pressão sem a declaração do respectivo código de projeto em seu prontuário e sua indicação na placa de identificação.”

 A abstenção acima transcrita acima impôs a seguinte pergunta: os equipamentos poderão ser importados sem as placas de identificação para recebê-las, posteriormente, por empresas especializadas antes de ser colocado em uso?

É certo que não há total clareza na redação da NR 13 que nos permita uma resposta taxativa ao questionamento que se coloca. Portanto, enquanto o MTe não se manifesta, formalmente, sobre o assunto, precisaremos trabalhar em caráter interpretativo da redação.

Neste cenário, tem-se que o verbo importar, segundo determina o dicionário Michaelis significa “mandar vir ou trazer de fora do país”. Portanto, a redação apresentada força o entendimento de que os particulares somente poderão mandar vir de outro país vasos de pressão e caldeiras que já possuam a placa de identificação conforme critérios da NR 13.

Observem que se este não fosse o intuito da norma bastaria a utilização no item 13.3.7 dos verbos comercializar, expor e utilizar, de maneira que tão logo o vaso e/ou caldeira entrasse no país ele deveria ter constituídos seu prontuário e placa de identificação por empresas especializadas.

Entendemos, em termos práticos, que esta foi uma das grandes cautelas deste item da norma, pois esta fase de reconstituição de prontuários e placas de identificação pode atrair, inevitavelmente, riscos que precisariam ser mitigados no processo.

Logo, firmados nos princípios da prevenção e da segurança do trabalhador, e, observada ainda a inclusão específica e o significado do verbo importar, entendemos que os equipamentos (caldeiras e vasos de pressão), que entrarem no Brasil a partir de 28/12/17 somente estarão em conformidade com a legislação se já chegarem em solo pátrio com as informações exigidas no item 13.3.7, quais sejam: declaração do respectivo código de projeto em seu prontuário e sua indicação na placa de identificação.

Josiane Lívia Moreira Fernandes - Advogada, Consultora e Auditora de Requisitos Legais, Liderança da Consultoria Jurídica e Técnica da empresa Âmbito Homem & Ambiente

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Mais artigos

Qual é a alternativa?

Na semana em comemoração do Dia Mundial do Meio Ambiente é importante refletirmos sobre alternativas que nos permitam preparar o ambiente em que vivemos para as futuras gerações. Nesse...

Ensino a distância para treinamentos em Segurança e Saúde no Trabalho. É possível?

O assunto não é recente e com frequência somos questionados se os treinamentos previstos nas principais NRs – Normas Regulamentadoras expedidas pelo Ministério do Trabalho podem ser feitos à...

Requisitos legais: conhecimento, controle e obrigatoriedade nas normas certificadoras

Diversas empresas, dos mais variados ramos de atividades buscam certificar seus sistemas de gestão em face, por exemplo, da competitividade mundial existente atualmente. Alguns dos motivos que estão por...

Sede Minas Gerais

Rua Professor José Renault, 470 - Santa Lúcia - 30350-342 - Belo Horizonte /Minas Gerais

31 2121-7575
31 3296-5912

São Paulo
Elaine Moreira
31 98452-0100
elaine@ambito.com.br

Jussara Rocha
31 99572-3277
jussara@ambito.com.br

Newsletter

Assine e receba notícias da Âmbito

 

download App para Suporte